História

GUARAPUAVA: paróquia Divino Espírito Santo faz história com trabalho evangelizador

Conforme documentado no livro tombo, de 08 a 17 de maio de 1991, realizou-se a novena do Espírito Santo, por ocasião da instituição da nova paróquia.

12/07/2017 11:20:00


 

O dia 19 de maio de 1991 é sinônimo de grande alegria para a diocese de Guarapuava. Nesta data, surgia mais uma comunidade no decanato centro. Trata-se da paróquia Divino Espírito Santo, no bairro Vila Bela.

O momento foi de grande importância para os moradores do entorno que viram a comunidade crescer e, aos poucos, conquistar espaço nas vidas das pessoas que encontram na Igreja Cristã seu verdadeiro acalento.

Conforme informações daquela comunidade, antes de se tornar paróquia a antiga capela já tinha trilhado um vasto caminho de muita perseverança e conquistas ao longo dos tempos.

Como capela, a hoje paróquia Divino Espírito Santo, pertenceu à paróquia Santa Cruz e Nossa Senhora das Dores, até o ano de 1964. A partir daquele ano, a comunidade passou a pertencer à paróquia Santa Terezinha, no bairro Batel.

O crescimento do local em se tratando de participação dos moradores só aumentou a partir de 1964. Padre Guilherme Maria Helber, da Congregação do Verbo Divino (SVD), foi quem celebrou a primeira missa depois que a capela passou a pertencer à paróquia Santa Terezinha. No ano seguinte, em 1967, a comunidade organizou a primeira festa do padroeiro e foi surpreendida pelo imenso número de pessoas que participou das comemorações.

Os trabalhos não pararam e, com empenho da população, muito se construiu na comunidade, segundo relatam os pioneiros em nota. Conforme sublinham, nos mais de vinte anos subsequentes, foram fundadas novas comunidades que começaram como centros de orações e convivências. “De 1967 até 1990, foram fundados os centros da Vila Planalto e do bairro Alto Cascavel, que mais tarde se tornaram capelas da paróquia Divino Espírito Santo. Também foram fundadas as comunidades Nossa Senhora Auxiliadora, Nossa Senhora das Graças, Sagrada Família, São Gaspar Bertoni, bem como as comunidades rurais Zampier, Porungos, Rio do Poço, Posto Napoleão e Três Capões”, diz a nota.

A matriz e a casa paroquial tiveram sua construção no sistema de mutirão. Houve empenho de todas as pessoas da comunidade que contribuíram com trabalho e dinheiro para que as obras não parassem. Festas eram realizadas e o lucro angariado era revertido em favor da construção do espaço.

No dia 27 de dezembro de 1989, o provincial da Congregação dos Estigmatinos (CSS) padre Mauro Montagnoli, juntamente com o padre Sebastião Marson (CSS), estiveram em Guarapuava para reconhecimento do território que a novam matriz ocuparia. Na ocasião, através de reuniões, eles conheceram a história do local e trataram do desmembramento territorial para a formação da nova paróquia. Para a composição da nova comunidade religiosa, através de ata lavrada no dia 03 de março de 1990, padre Sebastião Marson recebeu uma parte do território da paróquia Santa Terezinha. A partir daquele momento, novos desafios estavam lançados e a caminhada começava para toda a comunidade.

Conforme documentado no livro tombo, de 08 a 17 de maio de 1991, realizou-se a novena do Espírito Santo, por ocasião da instituição da nova paróquia. A inauguração da casa paroquial e tomada de posse do primeiro pároco, padre José Ribeiro Dias Sobrinho, foi realizada em seguida. Segundo documento de nomeação, a missão do primeiro pároco era ensinar o evangelho, administrar os sacramentos e reger o povo de Deus, como bom pastor.

COMUNIDADES

Os trabalhos nas comunidades que passaram a pertencer à nova paróquia ganharam novo fôlego, conforme relatos. No bairro Alto Cascavel, a atual comunidade Pai Eterno, que anteriormente se chamava comunidade Divino Espírito Santo, desde o ano de 1975, conforme relato dos moradores, já desenvolvia atividades pastorais através do centro comunitário. O primeiro coordenador daquela comunidade foi Alcides Grosko.

Na comunidade São Gaspar Bertoni, as primeiras celebrações presididas pelo padre Sebastião Marson eram nas casas de moradores do bairro. Tempos depois, as celebrações e encontros comunitários foram fixados em uma casa cedida pela Cohapar, na Rua Carlos Luz, 67. A comunidade se reuniu naquele espaço até a construção da capela, que foi concluída em 1994.

Depois que a comunidade Divino Espírito Santo passou a paróquia, muitos movimentos religiosos que já existiam, se firmaram e cresceram.  Legião de Maria, Clube de Mães, Círculos Bíblicos são exemplos de trabalhos desenvolvidos em favor da evangelização e da união entre os paroquianos.

Atualmente, a paróquia Divino Espírito Santo encontra-se sob a administração do pároco, padre Vinicios Augusto Santos Araújo (CSS), tendo como vigário, padre Sebastião Santos Teixeira (CSS) e diácono Horácio Miguel Sampaio (CSS).

A paróquia conta onze comunidades, sendo sete no perímetro urbano e quatro na área rural.

Desde 2004, a paróquia trabalha na construção da nova matriz que deve ser concluída nos próximos anos. No entanto, o local já acolhe celebrações de missas e outros encontros que exijam espaço para muitas pessoas.

As festas realizadas anualmente são referências em toda a região. Centenas de pessoas visitam as casas e fazem procissão com a tradicional Folia do Divino.

A diocese de Guarapuava, em nome do bispo Dom Antônio Wagner da Silva, agradece à paróquia Divino Espírito Santo pelo trabalho desenvolvido ao longo dos tempos.