Artigo

ARTIGO: No caminho de uma fé adulta

“Estejam sempre prontos para dar uma resposta tranquila e respeitosa a qualquer pessoa que pedir motivo para a esperança que há dentro de vocês” (1 Pd3,15).

08/02/2019 17:56:00


Por: catequista Germán Calderón Calderón

Ignorar os fundamentos fie fé cristã é condenar-se a manipular Deus.

Como anda nossa fé cristã?

Como estou eu hoje? Como está a minha família? Como anda o meu trabalho? Perguntar-se sobre o mais importante da existência humana que é a vida e a vida saudável é uma atitude inteligente e responsável como o dom mais precioso que recebemos de Deus, dos nossos pais, da sociedade, do planeta terra e do universo. Não enxergar a nossa vida e o que está ao seu redor é um ato de insensatez, de dispersão mental e de irresponsabilidade com nós mesmos e com o grupo social no qual estamos inseridos. Mas a consciência do que somos, do que fazemos, do que esperamos e do que oferecemos aos outros depende da nossa educação, de ter aprendido a aprender, dos relacionamentos com os outros e o mundo, da nossa visão de Deus, da vivência da nossa fé e, sobretudo, da nossa capacidade de fazer produzir e multiplicar o que recebemos dos outros. Aqui entra a pergunta: o que nós fazemos com o dom precioso da fé e do compromisso batismal como com todos os dons que recebemos de Deus, na Igreja e na comunidade nacional?

A pessoa humana é um ser que tendo recebido a vida de Deus, através dos pais e do seu grupo social, é chamada a construir-se, a crescer, a florir, a participar e a tentar experimentar a excelência da vida e o amor, junto e com os outros na sua comunidade, no seu país e no mundo.

O batizado com a sua fé inicial de catecúmeno, com a sua participação sacramental e eclesial e, sobretudo com o testemunho e exemplo dos seus irmãos adultos na fé, adquire conhecimento e experiência do tempo histórico que vive. Sua missão e vocação é ser adulto na fé, por isso, não se infantiliza esperando que os outros façam tudo por ele. Pelo contrário, cresce tentando ser adulto como pessoa, como cidadão e como católico, evita a ilusão do menor esforço e de adquirir as coisas sem trabalhar, sem estudar, sem criar, sem participar, sem sacrificar-se. E o mais grave, fazer da sua ignorância fonte de soluções e respostas para todos os seus desejo e inquietações humanas. Uma dessas ilusões é a de manipular a Deus por uma má compreensão de “quem é Ele” e uma fraca vivência e relação com Ele, fruto do desconhecimento dos fundamentos da fé e de um relacionamento insignificante com os membros da comunidade eclesial. A ideia ou representação que eu tenho de Deus é a mesma ideia que eu tenho dos outros. “Se alguém diz que ama a Deus, mas odeia o seu irmão, é mentiroso, pois ninguém pode amar a Deus, a quem não vê se não amar o seu irmão, a quem vê” (1 João 4, 20).

O batizado cresce pela catequese

Chega-se à fé cristã por meio da Igreja, da comunidade dos batizados. Batizada é aquela pessoa que teve um encontro pessoal e decisório com Jesus Cristo que transformou radicalmente sua história e a sua vida. É como aquela pessoa que tropeçou com o amor da sua vida e a paixão o leva por caminhos e sonhos nunca imaginados. Quem professa a fé em Jesus Cristo morto e ressuscitado adquiriu um novo estilo de vida e pode afirmar como o apóstolo Paulo:

“Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo é quem vive em mim. E esta vida que vivo agora, eu a vivo pela fé no filho de Deus, que me amou e se deu a si mesmo por mim” (Gálatas 2,20).

O Catecismo da Igreja Católica (CIC) indica a importância e a necessidade do batizado participar e frequentar da catequese em todas e em cada época da sua vida histórica. Sem esta instrução a vida cristã e eclesial torna-se raquítica e anêmica, sem luz e sem sabor: “Se o sal perde o gosto, deixa de ser sal e não serve para mais nada”. (Mateus 5,13-16).

Dizem os especialistas em educação que uma pessoa precisa de novos conhecimentos em todas as etapas da sua vida se quiser usufruir de uma vida em plenitude, ser útil aqui e agora e inteligentemente responsável no seu momento.

Diz o Catecismo que na Igreja de Jesus, “Bem cedo se passou a chamar de catequese o conjunto de esforços compreendidos na Igreja para fazer discípulos; para ajudar os homens a crerem, que Jesus é o Filho de Deus, a fim de que, por meio da fé, tenham vida em nome dele, para educá-los e instruí-los nesta vida, e assim construir o Corpo de Cristo. A Catequese é uma educação da fé de forma orgânica e sistemática, com o fim de iniciar os crentes na plenitude da vida cristã” (CIC 5-6).

A catequese da iniciação cristã é uma grande preocupação da Igreja católica hoje, uma vez que se constata o desconhecimento vergonhoso da maioria dos fiéis, dos fundamentos e princípios da nossa fé e dos compromissos que o batismo exige. Reina uma ignorância inquietante sobre os ensinamentos da Sagrada Escritura, a história da Igreja, os concílios e magistério. Esta preocupação por um ensinamento sólido da fé cristã a partir do batismo é manifestada pelos Senhores bispos da CNBB no documento 107: “Iniciação à vida cristã: itinerário para formar discípulos missionários”.

O tempo, desta forma primordial de catequese inicial, se denominou na Igreja catecumenato. O catecumenato ou preparação para o batismo de adultos é uma iniciação à fé e à vida cristã que dispõe o cristão para o dom do Batismo, da Confirmação e da Eucaristia. (CIC 1247).

Como inserir-se em um grupo de Iniciação Cristã?

Os católicos que desejam amadurecer e viver a plenitude do seu compromisso cristão, avivando sua esperança na Ressurreição devem se inserir em um grupo de formação cristã, da mesma maneira como procuram reforços, cursos e treinamentos para atualizar e renovar sua profissão, trabalho ou carreira, seu desempenho físico e sua aparência corporal. A vida para chegar à sua plenitude e excelência exige mudanças, aprendizados, conhecimentos, relacionamentos, caminhadas, meditações, nutrição sadia, viagens, dentre outros esforços. O caminho da fé não é diferente, é uma empreitada com Jesus, na sua Igreja, com os irmãos construindo um mundo novo, que se opõe à cruz, ao conhecimento e à luz verdadeira.

O primeiro lugar para iniciar-se em um grupo de catequese catecumenal é a paróquia. Às vezes, várias paróquias possuem centros de catequese permanente, oferecendo cursos organizados e sistematizados para as diferentes idades e situações.

Através da paróquia, os católicos descobrem como existem na Igreja diocesana, presbíteros, diáconos, catequistas preparados para esta atividade. Descobre-se também, que há muitas outras pessoas que testemunham a sua fé batismal e estão dispostas a compartilhar seus conhecimentos e experiências religiosas. Porém, o mais lógico e fácil é inscrever-se em um dos cursos de catequese programados e frequentar com entusiasmo e fidelidade.

Além da participação nos sacramentos e em atividades piedosas, os católicos, para viver uma fé adulta que produza frutos bons e abundantes, precisam, como afirma o CIC, “de uma exposição da fé da Igreja e da doutrina católica, testemunhadas e iluminadas pela Sagrada Escritura, pela Tradição apostólica e pelo magistério da Igreja”. Desta forma, teremos em nossa mochila, uma razoável bagagem para obedecer ao mandato de Cristo:

“Ide e fazei que todos se tornem discípulos, ensinando-os a observar tudo o que vos ensinei” (Mateus 28,19).

Leitura recomendada:

Concílio Vaticano II: Lumen Gentium capítulos 1 e 2.

Por: Germán Calderón Calderón