quinta-feira, 9 de julho de 2020

Agenda

Guarapuava não terá procissão de Corpus Christi este ano

Cada paróquia realizará sua celebração, conforme programação própria. Na catedral Nossa Senhora de Belém no dia 11 de junho, às 9h, haverá uma missa e à tarde, das 13h às 17h, serão arrecadados agasalhos de inverno no sistema drive thru.

10/06/2020 15:59:00


No dia 11 de junho, a Igreja celebra Corpus Christi. Esta é uma das datas mais importantes para os cristãos. Todos os anos, as procissões e os tradicionais tapetes coloridos que enfeitam as ruas por onde o Santíssimo passa, levam alegria, esperança e amor a todas as comunidades.

No entanto, este ano, a celebração ficou comprometida no Brasil, devido à pandemia do Coronavírus que exige de todos o isolamento social.

No decanato centro da diocese de Guarapuava, o pároco da catedral Nossa Senhora de Belém, padre Jean Patrik Soares, explicou que cada paróquia realizará sua celebração de acordo com seus horários e programações. Já na catedral, a missa será realizada às 9h. Os participantes da celebração deverão tomar os devidos cuidados quanto à higiene e o distanciamento entre as pessoas, conforme exigências e orientações das autoridades de saúde.

Como em anos anteriores, haverá a campanha solidária de arrecadação de agasalhos de inverno que serão distribuídos aos necessitados da cidade. Segundo padre Jean, este ano, em vez de deixarem os donativos em pontos estratégicos, as entregas para a catedral deverão ser feitas no sistema drive thru, ou seja, as pessoas passam pelo local, deixam os donativos e voltam para suas casas. A arrecadação será das 13h às 17h. A partir das 15h, haverá uma “live” musical sertaneja, com momentos de oração e todos são convidados a acompanhar pela internet, via Facebook. “Na catedral Nossa Senhora de Belém, além da missa, começamos aqui, uma campanha solidária para angariar roupas de inverno. A data principal de arrecadação será o dia de Corpus Christi, 11 de junho. As entregas dos donativos serão no sistema drive thru. Pedimos roupas de inverno, tais como blusas de frio, agasalhos, cobertores, edredons e acolchoados. Haverá uma ‘live’ musical sertaneja a partir das 15h. Todos, de suas casas, são convidados a acompanhar e rezar conosco”, convidou padre Jean.

A catedral Nossa Senhora de Belém, em Guarapuava, fica na Rua Senador Pinheiro Machado, 1931, centro da cidade. Mais informações podem ser obtidas na secretaria paroquial ou pelo telefone: (42) 3623-1282.

ORIGEM DA CELEBRAÇÃO

A celebração teve origem em 1243, em Liège, na Bélgica, no século XIII, quando a Freira Juliana de Cornion teria tido visões de Cristo demonstrando-lhe desejo de que o mistério da Eucaristia fosse celebrado com destaque.

Em 1264, o Papa Urbano IV através da Bula Papal “Trasnsiturus de hoc mundo”, estendeu a festa para toda a Igreja, pedindo a São Tomás de Aquino que preparasse as leituras e textos litúrgicos que, até hoje, são usados durante a celebração. Compôs o hino “Lauda Sion Salvatorem” (Louva, ó Sião, o Salvador), ainda hoje usado e cantado nas liturgias do dia pelos mais de 400 mil sacerdotes nos cinco continentes.

A procissão com a hóstia consagrada conduzida em um ostensório é datada de 1274. Foi na época barroca, contudo, que ela se tornou um grande cortejo de ação de graças.

NO BRASIL

No Brasil, a festa passou a integrar o calendário religioso de Brasília, em 1961, quando uma pequena procissão saiu da Igreja de madeira de Santo Antônio e seguiu até a Igrejinha de Nossa Senhora de Fátima. A tradição de enfeitar as ruas surgiu em Ouro Preto, cidade histórica do interior de Minas Gerais.

A celebração de Corpus Christi consta de uma missa, procissão e adoração ao Santíssimo Sacramento.

A procissão lembra a caminhada do povo de Deus, que é peregrino, em busca da Terra Prometida. No Antigo Testamento esse povo foi alimentado com maná, no deserto. Hoje, ele é alimentado com o próprio Corpo de Cristo.

Durante a Missa o celebrante consagra duas hóstias: uma é consumida e a outra, apresentada aos fiéis para adoração. Essa hóstia permanece no meio da comunidade, como sinal da presença de Cristo vivo no coração de sua Igreja.