Notícias

Santuário Nacional de Aparecida sedia 21ª edição da Romaria das Comunidades Negras do Brasil

Da diocese de Guarapuava, 51 pessoas participaram do encontro. Dom Antônio Wagner da Silva presidiu missa no Santuário Nacional de Aparecida no dia 04 de novembro, às 10h30.

07/11/2017 17:18:00


No primeiro fim de semana de novembro o Santuário de Aparecida recebeu a 21ª edição da Romaria das Comunidades Negras, que nesse ano refletiu o tema “Negro escravo de ontem, excluído de hoje” e o lema inspirado no tricentenário é “300 anos celebrando a resistência com a Mãe Negra Aparecida”.

A programação da Romaria das Comunidades Negras no último sábado (4) seguiu durante todo o dia, incluindo a participação na Santa Missa das 10h30, presidida por Dom Zanoni Demettino de Castro, Arcebispo Metropolitano de Feira de Santana (BA) e Referencial para Pastoral Afro-Brasileira.

O encontro contou também com a presença da primeira-dama Alimata Kone da República da Guiné, país da África Ocidental, que acompanhada de sua irmã, veio ao Santuário Nacional para agradecer a cura do câncer de mama.

Durante o encontro da Romaria no Santuário, diversos assuntos foram trabalhados pela Pastoral Afro-Brasileira, tendo como principal objetivo resgatar nomes de pessoas que se destacaram nas lutas contra o racismo e enaltecer o atual cenário no Brasil, enfatizando as pessoas que estão contribuindo para a garantia dos direitos humanos na dimensão étnico-racial. Mais de mil representantes das Comunidades Negras do Brasil estiveram reunidos no Santuário.

GUARAPUAVA

Da diocese de Guarapuava, 51 pessoas participaram do encontro. Um ônibus levando os romeiros ao Santuário Nacional de Aparecida saiu de frente à Catedral Nossa Senhora de Belém às 19 horas de sexta-feira, dia 03 de novembro.

Durante o trajeto, conforme os participantes houve muitos momentos de oração e descontração.

Dom Antônio Wagner da Silva, bispo da diocese de Guarapuava e referencial para a Pastoral Afro-Brasileira no Regional Sul 2 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), celebrou a missa das 10h30, no sábado, dia 04. Segundo Dom Wagner, o encontro em nível nacional possibilita a troca de experiências e também faz com que seja possível entender os problemas pelos quais passam as comunidades negras não só no Brasil, mas em diversas partes do mundo.

Com base no Evangelho de Lucas, 14, 1. 7-11, Dom Wagner ressaltou o preconceito como a grande barreira capaz de segregar as pessoas em todos os tempos e lugares. O preconceito, conforme o bispo, é silencioso e, por isso, muito ofensivo. “Hoje, há muitas maneiras de ser preconceituoso e passar despercebido. Há diversas formas de segregação em nossas comunidades, em nossas famílias. A hipocrisia, a falsidade e tantas outras atitudes que ofendem e até matam estão presentes em nosso meio e, para muita gente, passam despercebidas ou ganham formas diferentes, distorcidas. Como cristãos, como comunidade, temos um longo caminho a percorrer para que possamos entender a verdadeira missão de cada um. Entender a missão quer dizer sair de nossos muros, de nossas casas e viver esta realidade, sempre na busca por ser e fazer melhor”, grifou Dom Wagner.

Os romeiros de Guarapuava retornaram logo após o almoço de domingo, dia 05 de novembro.

REFLEXÕES DA ROMARIA

O texto-base preparado para a Romaria e enviado aos agentes apresenta reflexões a respeito da situação atual dos negros no Brasil, a relação de devoção e libertação com Nossa Senhora Aparecida e a questão da pertença e acolhimento ao negro na Igreja.

De acordo com a Pastoral Afro-Brasileira, o objetivo das discussões é também ter presente a caminhada das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), da Teologia da Libertação e o extermínio dos jovens negros; refletir sobre a presença do negro, da negra e da Pastoral Afro-brasileira na Igreja; garantir a continuidade dos leigos, das leigas, do clero e da hierarquia comprometidos com as propostas da Pastoral Afro-Brasileira; mostrar a Identidade Negra e celebrar nas respectivas culturas; e caminhar em conjunto com outras organizações contra a desigualdade, a discriminação, e o racismo, a intolerância religiosa, a exclusão dos direitos dos negros nas periferias.

 

Com informações do Portal A12 e CNBB

Galeria de Fotos