Artigo

ARTIGO: Provável descoberta da causa do vício das drogas

A revista Time relatou que, entre os soldados americanos na Guerra do Vietnã, usar heroína estava se tornando um hábito tão corriqueiro quanto mascar chicletes.

07/05/2018 15:36:00


Há mais de um século, famílias, professores e governantes travam guerra contra o vício das drogas. Qual a causa do vício? Como reverter essa guerra em paz?

Nos Estados Unidos, na década de 1980, foi apresentado à psique americana um experimento simples. Colocou-se um rato numa gaiola, sozinho, com duas garrafas d’água. Uma apenas com água e a outra com água misturada com cocaína ou heroína. O resultado demonstrou que o rato sozinho ficou obcecado com a água com drogas e morreu de tanto tomá-la.

O professor de Psicologia da cidade canadense de Vancouver, Bruce Alexander, percebeu algo curioso no experimento. Chamou-lhe a atenção o fato de o rato estar sozinho na gaiola. Nessa condição não tinha nada para fazer além de usar a água com droga. Então resolveu tentar algo diferente e criou o Rat Park (Parque dos Ratos). Uma gaiola sofisticada com vários ratos e colocou nela bolas coloridas, túneis para brincar e boas comidas.

Durante certo tempo todos os ratos tomaram água das duas garrafas por não saberem o que elas continham. Mas aconteceu algo surpreendente. Os ratos passaram a não gostar da água com drogas. Passaram a ignorá-la e consumir menos de um quarto dessa água, em comparação com os ratos isolados. Nenhum deles morreu. Todos os ratos que estavam sozinhos em suas gaiolas se tornaram dependentes da droga, o que não aconteceu com os do Rat Park.

A revista Time relatou que, entre os soldados americanos na Guerra do Vietnã, usar heroína estava se tornando um hábito tão corriqueiro quanto mascar chicletes. Segundo um estudo publicado no Archives of General Psychiatry, cerca de 20% deles ficaram viciados. Segundo o mesmo estudo, quase 95% dos viciados pararam de usar heroína. Eles passaram de uma situação aterrorizante para uma agradável, e não queriam mais usar drogas, ou seja, da primeira gaiola para a segunda.

Na interpretação de Alexander, o vício é uma adaptação, ou seja, o meio, a “gaiola” em que a pessoa vive. A falta de amor, afeto, laço de familiar, conexão humana e a solidão, bem como a falta de educação de qualidade, saúde, esporte, lazer, religiosidade e de políticas públicas sociais podem contribuir para o uso de drogas.

Afirmar que o vício é causado simplesmente por agentes químicos não faz sentido, pois o viciado pode ser comparando ao rato da primeira gaiola, isolado, sozinho, com uma única fonte de conforto e o outro, ao grupo da segunda gaiola, que oferece condições de lazer, comida e conexões. Portanto, o mistério da origem do vício acredita-se estar na falta de conexões humanas.

Por padre Judinei Vanzeto

*O autor pertence à Congregação Sociedade do Apostolado Católico (SAC) e também é jornalista. Atualmente é vigário da paróquia Nossa Senhora Rainha dos Apóstolos, em Cascavel, Paraná.