Notícias

Há quatro décadas e com quatro páginas, nascia o Boletim Diocesano

Quarenta anos se passaram e muita coisa mudou no mundo. No entanto, a essência do Boletim Diocesano continua a mesma: informar e formar a partir dos valores cristãos.

05/06/2018 18:10:00


Julho de 1978. A diocese de Guarapuava, então com 12 anos, através de seu primeiro bispo, Dom Frederico Helmel, dá início a um projeto ousado para a época: nos primeiros dias do sétimo mês daquele ano, já estava disponível a primeira edição do “Boletim Diocesano”.

A intenção do impresso de apenas quatro páginas, com periodicidade mensal e tiragem de algumas centenas de exemplares, era divulgar os trabalho da Igreja em âmbito diocesano e também fomentar discussões acerca da sociedade, sempre com base nos valores éticos, morais e, sobretudo, cristãos.

O texto de Dom Frederico, publicado na primeira página do Boletim, sugeria um trabalho de formação e de união da Igreja em âmbito particular, através da notícia e de um trabalho pastoral e formativo. Conforme o bispo (em texto reproduzido abaixo, na íntegra), “As distâncias separam, a Igreja nos une”. No mesmo artigo, Dom Frederico também citava que “sua estrutura, conteúdo, deverão corresponder às exigências da missão”.

Leia o texto do bispo na íntegra:

 

A PALAVRA DO BISPO

Com este número, sai, pela primeira vez, a criação mais nova de nossa Diocese, o Boletim Diocesano. Sai da cidade de Guarapuava com o desejo de entrar em todas as paróquias, em todas as comunidades das capelas, nos próprios lares.

É um novo jornal que está surgindo, um noticiário local? Não é isto que o nosso Boletim pretende ser. Não é jornal, nem é revista e nem noticiário. O Boletim Diocesano deseja ser, antes de tudo, um mensageiro da Diocese.

A Diocese de Guarapuava abrange uma área tão grande, a maior de todas as Dioceses do Paraná. São áreas diversas que, no entanto, têm algo de comum. Localizada no Terceiro Planalto do Paraná, constituem o centro e o coração de nosso Estado. Os 12 municípios formam também uma unidade espiritual, uma Igreja Particular com sede em Guarapuava.

O Boletim pretende ser, portanto, um elo de união. As distâncias separam, a Igreja nos une. Esta união necessita de instrumentos, de laços, de união. Um destes será o Boletim que hoje inicia sua vida. O Boletim será um mensageiro de união.

Sua estrutura, seu conteúdo deverão corresponder às exigências desta missão. Será informativo, sim, mas será também, formativo. Um órgão destinado a formar um espírito diocesano, eclesial, a criar interesses comuns e fazer nascer laços de amizade.

Deverá ser nosso, inteiramente nosso. Os acontecimentos, a problemática, a mentalidade e o espírito da “Igreja em Marcha” deverão ser nossos. Contudo, sabemos também que não somos uma ilha, que vivemos dentro de uma realidade mais ampla. Tomaremos conhecimento dessa realidade. Mais, ainda, aceitaremos tudo que poderá promover e fomentar o nosso sentimento de comunidade com as demais Igrejas à pertença à Igreja Universal. O Boletim será de união. De união entre clero e leigos, Religiosos e Agentes de Pastoral. Deverá representar o povo, o povo de Deus em toda a sua diversificação e riqueza.

Assim, meus caros amigos, mandamos este primeiro número. Mandamos com a nossa bênção, nossos votos de vida longa, de uma atuação fecunda e universal. Que nosso Boletim Diocesano possa cumprir a sua missão e ser o verdadeiro mensageiro de Nossa Senhora de Belém, excelsa padroeira desta Diocese de Guarapuava.

São os votos de Frederico

Bispo de Guarapuava

Julho de 1978

 

CONTEMPORIZANDO

O ano de 1978 foi de muitas mudanças e acontecimentos no Brasil e no mundo, sobretudo para a Igreja. Este foi um ano que entrou para a história como o ano dos três Papas: Paulo VI, João Paulo I e João Paulo II. Tudo isso ocorreu em um intervalo de dois meses. Nunca, na história, se teve três Papas no mesmo ano.

No dia 6 de agosto, morre o Papa Paulo VI depois de 15 anos de pontificado. No dia 26 do mesmo mês, depois do conclave, foi escolhido o italiano Albino Luciani para ser o Papa João Paulo I. Seu pontificado, no entanto, durou apenas 33 dias e o santo padre morreu em 28 de setembro. Este foi o pontificado mais curto da história. Em 16 de outubro, após um novo conclave, foi escolhido para bispo de Roma, o polonês Karol Wojtyla, que era bispo de Cracóvia. Ele se tornou então, o Papa João Paulo II num pontificado que atravessou o final do século XX e rompeu o começo do terceiro milênio.

O cardeal Secretário de Estado, Pietro Parolin, falou deste período muito significativo para a Igreja, no dia 02 de maio de 2018, por ocasião da inauguração de encontros dedicados à figura do pai, com o tema “De pai para filho. Que Deus faça seu pai viver longamente dentro de você”. “O ano dos três Papas – explicou Parolin – foi o ano dos três pais”.

A GRANDEZA DE PAULO VI

Ao recordar o Papa Montini, o cardeal Pietro Parolin evidenciou que nos anos de seu pontificado a situação na Itália e na Igreja era muito difícil. As inquietações pós-conciliar, a morte do presidente da Democracia Cristã, Aldo Moro, a lei do aborto na Itália e as grandes contestações da juventude de 1968. Foram muitos episódios que dificultaram o seu pontificado. Mas, como recordou o próprio cardeal: “a grandeza de Paulo VI emerge justamente nestes anos complicados, no seu trabalho e sofrimento para manter a Igreja unida, na sua reafirmação da verdade de fé que muitos queriam colocar em discussão, e na sua capacidade de não ceder ao pedido dos que queriam condenações definitivas e providências inquisitórias”.

JOÃO PAULO I: UMA ESTRELA-CADENTE INESQUECÍVEL

“Uma estrela-cadente inesquecível”. Assim o Secretário de Estado define Papa Luciani, o Papa sorridente e humilde que “tinha recém começado a olhar o mundo nas suas vestes de pastor da Igreja universal, e muito cedo nos deixou”.

JOÃO PAULO II: VIVACIDADE À IGREJA

A queda do muro de Berlim, a implosão do colosso comunista, a guerra étnica e fratricida dentro do coração da Europa até o fanatismo que explodiu com os episódios de 11 de setembro de 2001, nos Estados Unicos. Também os anos de João Paulo II não foram fáceis. “Durante o seu pontificado, a Igreja Católica atravessou um período de mudanças históricas que marcaram época”. Mas, apesar de tudo, recordou o cardeal, João Paulo II “com a sua fé firme e inabalável trouxe vivacidade à Igreja tendo um importante papel ao nos recordar que a Europa para respirar precisava de dois pulmões, não só o do ocidente”, destaca o cardeal.

A HERANÇA DOS TRÊS PAPAS-PAIS

Depois de ter recordado alguns aspectos importantes de seus pontificados, o cardeal sublinhou a importante herança que nos foi deixada por estes pais. “Todos os três nos educaram a amar a Deus e amar os irmãos. Os homens e as mulheres são antes de tudo irmãos, em busca de um sentido, de um significado, de uma resposta. O cristão vive na certeza da fé, mas jamais pode dizer que a possui, porque fazendo assim correria o risco de reduzi-la a ideologia. E esse olhar, esse sentimento, essa consciência de estar sempre a caminho, de ter necessidade de encontrar sempre o Senhor na nossa estrada, nos foi testemunhado por estes três grandes pais”, sublinha o cardeal.

OUTRAS MUDANÇAS

O ano de 1978 foi intenso em muitos setores, tanto no Brasil, quanto no mundo. Foi neste ano, quando surgia o Boletim Diocesano, que houve o que a medicina chamou de verdadeiro milagre. Louise Brown se tornava o primeiro bebê de proveta da história. O nascimento da criança foi em Oldham, na Inglaterra. Louise foi a primeira a nascer através da fertilização in vitro.

No Brasil, a ditadura caminhava para o fim com a extinção do AI-5 pelo governo de Ernesto Geisel. Seguindo a promessa de uma transição lenta e gradual, o ato que simbolizou os tempos difíceis da ditadura saiu de cena na virada de 1978 para 1979.

Foi também em 1978 que o Brasil foi apresentado à figura de Luiz Inácio da Silva, o Lula que liderou a primeira greve dos metalúrgicos da história do Brasil.

Na Guiana, uma tragédia sem precedentes matou mais 900 pessoas em Jonestown. O líder da seita Templo do Povo, Jim Jones promoveu o suicídio coletivo num caso considerado escabroso e muito dolorido para todo o mundo.

Na Itália o primeiro ministro Aldo Moro foi assassinado por membros do grupo: “Brigadas Vermelhas”.

Um incêndio destruiu praticamente todo o acervo do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. O fogo consumiu e fez virar pó todo o acervo de obras de arte de artistas renomados.

No tempo em que a onda disco fervia através do filme “Os Embalos de Sábado à Noite” estrelado por John Travolta, a novela Dancin Days de Gilberto Braga fez sucesso por aqui e lançou modismos como as meias de lurex e alçou definitivamente a carreira de Sônia Braga que brilhou na pele de Júlia Matos. Joana Fomm como Yolanda também roubou a cena.

Bem antes de Dancin Days estourar, a novela “O Astro” de Janete Clair parava o país com a pergunta: “Quem matou Salomão Hayalla?”, personagem de Dionísio Azevedo. No último capítulo foi revelado o assassino, Felipe, personagem de Edwin Luisi. A novela teve grande repercussão e gerou um comentário irônico do poeta Carlos Drummond de Andrade no Jornal do Brasil. “Agora que O Astro acabou, vamos cuidar da vida lá fora”.

FUTEBOL

A Argentina foi campeã mundial de 1978 ao organizar o mundial que se tornou polêmico por conta de uma partida suspeita diante do Peru onde o goleiro Quiroga, um argentino naturalizado peruano, foi acusado de entregar a partida para os argentinos num caso jamais confirmado. O certo é que os argentinos venceram com destaque para Mario Kempes, artilheiro do campeonato. O Brasil dirigido por Claudio Coutinho terminou invicto e mesmo assim ficou de fora da final, se autoproclamando campeão moral.

O Guarani de Campinas se tornou a única equipe vinda do interior campeã brasileira da história. O Bugre, como ainda é conhecido o clube, conquistou seu único título nacional em dois jogos contra o Palmeiras. Dentre os destaques do elenco estavam o meia Zenon, que jogaria depois no Corinthians, o goleiro Neneca e o atacante Careca.

AUTOMOBILISMO

Na Fórmula 1, o campeão daquele ano foi o americano Mario Andretti, mas o fato que marcou a temporada foi a morte do sueco Ronnie Peterson. Peterson morreu dois dias depois da largada do Grande Prêmio da Itália quando precisou ter o carro substituído e o modelo, considerado ultrapassado, teve problemas e o tanque de combustível acabou explodindo. Ele foi retirado do carro, internado no hospital, mas contraiu uma embolia pulmonar e morreu em 11 de setembro de 1978.

MÚSICA

Conhecido como o Cantor das Multidões, na primeira metade do século XX, o músico Orlando Silva morre em 7 de agosto de 1978, para tristeza de seus fãs que se consideraram órfãos.

O JORNAL

Em meio a tantos acontecimentos e mudanças, o Boletim Diocesano surgia e, aos poucos, passava a exercer papel importante não só em meio à comunidade católica, mas também como veículo de informação e formação cristão, como queria seu fundador, o bispo Dom Frederico Helmel.

Quarenta anos se passaram e muitas pessoas deixaram sua parcela de contribuição para com este veículo de circulação mensal. Muitos foram os redatores, editores, colaboradores, fotógrafos, arte-finalistas, dentre tantos profissionais que atuaram na elaboração deste material que se tornou um ícone da comunicação da diocese.

Atualmente, o Jornal “A Igreja na Diocese de Guarapuava”, o histórico Boletim Diocesano, continua com periodicidade mensal, mas possui 32 páginas (28 páginas a mais do que quando foi fundado) e leva informação e formação para 31 municípios, nas 47 paróquias e 1047 comunidades da diocese de Guarapuava. A tiragem é de 36 mil exemplares, colorido, no formato tabloide americano.

O material é elaborado em parceria com a comunidade, através do trabalho voluntário dos agentes da Pastoral da Comunicação (Pascom) que produzem fotos e enviam informações que são transformadas em matérias e artigos para então, serem publicadas no jornal e também no portal www.diopuava.org.br.

Referencial da comunicação no Regional Sul 2 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que diz-se da Igreja no Paraná, o bispo de Guarapuava, Dom Antônio Wagner da Silva é um dos grandes incentivadores do trabalho jornalístico na diocese. Conforme Dom Wagner, ter acesso à informação é um direito que todas as pessoas têm e precisam fazer valer em todos os tempos e lugares. “Todos nós temos direito à informação com credibilidade, com qualidade, com responsabilidade e amor. A Igreja é por si só a maior comunicadora em todos os tempos. Devemos apoiar e criar oportunidades que abram espaço para os comunicadores, para a formação ética e cristã. Chegamos aos quarenta anos com o Boletim (Diocesano) e precisamos estar sempre abertos a mudanças e melhorias. Comunicar é amar, é levar a Palavra de Deus aos lugares mais remotos”, sublinhou Dom Wagner.

Com informações do Vatican News e do blog: contandohistoria1977.blogspot.com