Artigo

ARTIGO: Minha catequese sobre as curas de agora!

As muitas curas dos novos padres. Há uma enorme diferença entre orar por curas e anunciar curas. Esclarecer é dever de todo o sacerdote. Corrigir os exageros, também.

18/06/2018 12:43:00


É uma temeridade discordar deles, mas sei de milhares de padres que discordam e dizem abertamente que isso de “curar” as almas e corpos já passou dos limites da fé e da ciência.

Nem a medicina tem tantas respostas, nem a fé as oferece com dias, noites e horas marcadas. Alguém está extrapolando das atribuições do seu ministério!

Não obstante, vejo novenas ou encontros de quartas-feiras à noite, anunciando pregação de jovens padres a propor e até a anunciar curas das emoções: afetividade, ansiedade, depressão, lembranças dolorosas, tristeza, insônia, síndromes... E os fiéis vão lá, não para orar. A proposta é de “curas”.

São todos jovens. E não anunciam que vão orar juntos. Os cartazes anunciam curas durante a novena!

É aí que eles extrapolam. O que estudei de psicologia ou li de psiquiatria, os inúmeros livros que tenho e li sobre esta Pastoral, jamais aconselham chamar de cura o que é apenas um consolo espiritual.

Se nós cremos que só Deus cura e quando Ele quer, então está errado anunciar “curas nas novenas”.

Ninguém está autorizado pela Igreja a anunciar curas antecipadas, nem antes nem depois, sem aceitar a orientação dos médicos, psicólogos, psiquiatras, bispos e padres que realmente estudaram o sofrimento da alma e da mente. São enfermidades tão dolorosas quanto as disfunções do corpo.

Se pentecostais abusam com tais curas, era de se esperar que padres católicos seguissem outras diretrizes. Os bispos estão aí para isso.

O que tenho visto é um modismo que está longe de ser Renovação Carismática Católica (RCC), que tem regras e doutrinas e obedece a orientação dos bispos e especialistas para que não se confunda Pastoral dos Enfermos (todas as enfermidades) com histeria.

As curas existem, mas quando se anuncia do primeiro ao nono dia da novena que haverá curas, alguém está brincando de Psicólogo ou de Psiquiatra em nome da fé.

Que mostrem que estudaram isso e que mostrem que conhecem Teologia Dogmática e Moral da Igreja. Como tem acontecido não é nem fé no Espírito Santo, e menos ainda, no Cristo, que deixou claro que ninguém deve usar o nome dele com temeridade.

Que tal uma novena de esclarecimento do que é graça, cura, milagre e o que é profecia ousada, que Jesus e os apóstolos foram os primeiros a condenar e que Jeremias 650 anos antes de Jesus já condenava?

Há uma enorme diferença entre orar por curas e anunciar curas. Esclarecer é dever de todo o sacerdote. Corrigir os exageros, também. E é nosso dever reconhecer milagres onde eles existem e denunciar onde é mais impostura do que fé católica.

A RCC pode prestar uma enorme ajuda com suas escolas de formação. Pena que nem todos a levam a sério. O espetáculo não pode substituir a seriedade do púlpito.

Por: padre José Fernandes de Oliveira SCJ – padre Zezinho