Notícias

Panamá em festa para acolher a Jornada Mundial da Juventude em janeiro de 2019

As duas maiores Jornadas, em termos de públicos, se deram sob temas missionários: Em Manila, “Como o Pai me enviou, também eu vos envio” ( Jo 20,21 ) e no Brasil, “Ide e fazei discípulos entre as nações!” (Mt 28,19).

30/11/2018 11:38:00


De 22 a 27 de janeiro, o Panamá sediará um dos maiores eventos católico do mundo: a Jornada Mundial da Juventude (JMJ).

A data oficial do evento que reúne pessoas da maioria dos países foi anunciada em 20 de janeiro de 2017, em uma coletiva de imprensa presidida pelo arcebispo local, Dom José Domingo Ulloa Mendieta.

O tema da JMJ no Panamá 2019 será: “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra (Lc 1, 38)”, conforme anunciado pelo Vaticano em 22 de novembro de 2016. Desde então, outras duas JMJs, foram celebradas em âmbito diocesano, em 2018 e que também tiveram como foco Maria: “Grandes coisas fez por mim o Onipotente” (Lc 1, 49), em 2017, e “Não temas, Maria, pois encontraste graça diante de Deus” (Lc 1, 30).

A última edição do evento foi realizada em Cracóvia, na Polônia, de 26 a 31 de julho de 2016. No último dia, na missa de envio, o Papa Francisco anunciou que a sede da próxima edição seria o Panamá, país localizado na América Central.

Os preparativos para o grande evento da juventude mundial começaram logo em seguida. Em 12 de janeiro de 2017, foi realizado o primeiro encontro com representantes das paróquias sobre a acolhida dos peregrinos. Mesmo com dois anos de antecedência, o tema requereu maior atenção por parte dos organizadores do evento, por tratar-se de um grande número de pessoas que chegariam ao Panamá, vindas de todas as partes do planeta.

O QUE É A JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE?

A JMJ é um evento criado por São João Paulo II, em 1986, que reúne jovens católicos de todo o mundo. Tem o intuito de celebrar a fé em Jesus Cristo e mostrar o rosto jovem da Igreja. A maior reunião de jovens católicos do mundo tem atravessado gerações e fronteiras, e reunindo pessoas dos quatro cantos do planeta.

COMO SURGIU?

Dois eventos importantes marcaram a história inicial da JMJ: o Jubileu dos jovens em Roma para o Ano Santo da Redenção, em 1984, quando João Paulo II entregou a cruz aos jovens em 22 de abril.

Em 1985, se deu o Encontro Mundial dos Jovens, por ocasião do Ano Internacional da Juventude, proclamado pela ONU. O Papa João Paulo II dedicou então uma Carta Apostólica aos Jovens, convidando-os para mais um encontro em Roma: a primeira Jornada Mundial da Juventude, em 1986.

Em 1987, o saudoso Pontífice polonês convocou os jovens a um encontro em Buenos Aires, tornando a JMJ um encontro de peregrinação internacional. Nesta edição, João Paulo II reafirmou o que vinha dizendo aos jovens desde o início de seu pontificado: “Vós sois a esperança da Igreja, vós sois a minha esperança”.

Uma jornada especial foi a de Czestochowa, em 1991, a primeira edição depois da queda do Muro de Berlim, na qual jovens vindos de dois blocos separados e hostis (oriente e ocidente) puderam, finalmente, celebrar de mãos dadas a fé em Jesus Cristo.

A Jornada de 2000 também foi especial. Mais de dois milhões de jovens foram a Roma para celebrar o Jubileu da Igreja. Essa edição ficou marcada pela espontaneidade de João Paulo II na vigília de Tor Vergata, que cantou e se animou com os jovens.

A Espanha foi o primeiro país a organizar, duas vezes, duas Jornadas com o mesmo anfitrião: Dom Rouco Varela. Ele era arcebispo de Santiago de Compostela na Jornada de 1989 e Cardeal de Madrid na Jornada de 2011.

Também em Madrid, mais de 700 mil exemplares do Youcat, o catecismo jovem da Igreja Católica, foram distribuídos, em seis línguas.

Rompendo barreiras: em 1985, um grupo de jovens alemães conseguiu a “Cruz dos Jovens” para além da “Cortina de Ferro”, em Praga, Tchecoslováquia, um dos países mais fechados da época. A “Cruz da JMJ” tornou-se assim o símbolo da comunhão com o Papa e sinal de que não há portas fechadas para o Evangelho.

O Ícone de Nossa Senhora, segundo símbolo da JMJ, foi dado aos jovens por São João Paulo II, em 2003. Desde então, o Ícone – uma cópia fiel de um antiquíssimo ícone encontrado na Basílica de Santa Maria Maior – tem acompanhado a Cruz em suas peregrinações.

As duas maiores Jornadas, em termos de públicos, se deram sob temas missionários: Em Manila, “Como o Pai me enviou, também eu vos envio” ( Jo 20,21 ) e no Brasil, “Ide e fazei discípulos entre as nações!” (Mt 28,19).

Com informações dos portais Canção Nova e JMJ

Galeria de Fotos