Notícias

Fentanil já mata mais que heroína nos EUA

Enquanto a oxicodona foi a principal droga ligada a mortes por overdose em 2011, a heroína se tornou a causa majoritária entre 2012 e 2015 e substituída pelo fentanil em 2016, segundo os últimos dados.

13/12/2018 17:04:00


O fentanil substituiu a heroína como principal droga vinculada às mortes por overdose nos Estados Unidos, segundo um relatório com dados de 2016 publicado no último dia 12 de dezembro, pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) que destaca que o número de mortes por esta causa aumentou 54% entre 2011 e 2016.

“Estamos vendo que as drogas e as combinações de drogas que contribuem para as mortes por overdose estão mudando constantemente”, disse à Agência Efe Holly Hedegaard, autora do estudo.

Enquanto a oxicodona foi a principal droga ligada a mortes por overdose em 2011, a heroína se tornou a causa majoritária entre 2012 e 2015 e substituída pelo fentanil em 2016, segundo os últimos dados do relatório das autoridades sanitárias americanas.

O fentanil costuma ser usado no tratamento de pacientes com dores intensas ou crônicas, ou depois de um procedimento cirúrgico.

Segundo a descrição do Instituto Nacional sobre Abuso de Drogas (NIDA, na sigla em inglês), o fentanil é um opiáceo sintético “similar” à morfina, “mas mais potente”.

A Agência Antidrogas Americana (DEA) apontou em um relatório de 2015 que este analgésico é entre 80 e 100 vezes mais potente que a morfina e entre 25 e 40 vezes mais forte que a heroína.

O fentanil ficou conhecido em 2016, quando foi revelado que uma overdose acidental desta substância foi a causa da morte do músico americano Prince, segundo revelou a autópsia.

Recentemente, o presidente da China, Xi Jinping, se comprometeu a designar o fentanil como “substância controlada” em seu país e impor duras penas a quem comercializá-lo, com o objetivo de atenuar a crise de dependência a opiáceos nos EUA.

Isso porque o fentanil entra nos EUA sobretudo vindo da China e do México, segundo a DEA.

O relatório do CDC divulgado em 12 de dezembro de 2018, analisou as drogas específicas marcadas nos atestados de óbito para saber quais estão relacionadas com as mortes por overdose e determina que, por outro lado, a cocaína se manteve em segundo ou terceiro lugar durante todo este período.

Em 2016, as drogas vinculadas com maior frequência às mortes por overdose acidental foram fentanil, heroína e cocaína, enquanto as relacionadas com os suicídios por overdose foram a oxicodona, a difenidramina, a hidrocodona e o alprazolam.

Além disso, chamou a atenção o fato de as mortes por overdose com heroína terem triplicado entre 2011 e 2016, assim como a taxa de mortes por overdose com metanfetamina.

Os pesquisadores constataram que as mortes por overdose aumentaram em 54% entre 2011 e 2016, de 41.340 para 63.632.

Este fato, somado ao aumento de 3,7% dos suicídios, fez com que a expectativa de vida nos EUA caísse pelo terceiro ano consecutivo, e em 2017 fosse de 78,6 anos, segundo um relatório que os CDC publicaram há duas semanas.

O novo documento indicou que entre as 15 drogas mais relacionadas a mortes por overdose se encontram os opiáceos como o fentanil, a heroína, a hidrocodona, a metadona, a morfina e a oxicodona, assim como os remédios psicotrópicos alprazolam e diazepam e os estimulantes como a cocaína e a metanfetamina.

A taxa de mortes por overdose com fentanil e análogos desta droga dobrou anualmente entre 2013 e 2016, ao passar de 0,6 mortes a cada 100 mil pessoas em 2013 para 1,3 em 2014, 2,6 em 2015 e 5,9 em 2016.

No caso da metadona, houve um fenômeno inverso, e a taxa de mortes por esta droga caiu de 1,4 a cada 100 mil pessoas em 2011 para 1,1 em 2016.

“Vimos que as mortes por overdose incluem mais de uma droga, por isso acreditamos que é importante começar a identificar as combinações frequentes”, disse a pesquisadora.

Holly Hedegaard destacou o exemplo das mortes causadas por overdose de cocaína, entre as quais 40% também estavam relacionadas ao uso de fentanil.

Marcela Cortés/ Agência EFE

Fotos: Brazilian Press e Portal Terra

Galeria de Fotos