sexta-feira, 24 de maio de 2019

Notícias

Igreja no Brasil fortalece apoio evangelizador em projeto de solidariedade na Guiné Bissau

Os bispos da Guiné-Bissau agradeceram o apoio já oferecido desde 2006, quando professores do Brasil começaram a se disponibilizar para ministrarem disciplinas no seminário durante as férias do Brasil.

27/02/2019 11:27:00


O trabalho de apoio à ação evangelizadora na Igreja em Guiné-Bissau deve continuar no âmbito da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Após visita do assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Missionária e a Cooperação Intereclesial da entidade, padre Antônio Niemiec, ao país africano, foram apresentadas algumas demandas, como o pedido de livros de Filosofia e Teologia, os quais devem auxiliar na formação dos padres daquela região, dentro do “Projeto de Solidariedade entre as Igrejas do Brasil e da Guiné-Bissau”, firmado em 2006.

Padre Antônio Niemiec esteve por 45 dias na Guiné-Bissau, entre os meses de dezembro de 2018 e fevereiro de 2019. Na oportunidade, encontrou-se com os três bispos do país e tratou das propostas sugeridas no Brasil para apoio e escutou as demandas locais.

Os bispos da Guiné-Bissau agradeceram o apoio já oferecido desde 2006, quando professores do Brasil começaram a se disponibilizar para ministrarem disciplinas no seminário durante as férias do Brasil. Eles também agradeceram pela oferta de apoio da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) para cursos de mestrado e doutorado, o que não deverá ser efetivado neste momento, por conta de outras urgências.

Como pedidos mais concretos, considerado as necessidades mais latentes, foi solicitada a criação da faculdade de Filosofia no país, o que deve ser realizado até setembro de 2020; a ampliação do tempo de permanência dos professores de cinco a seis semanas para dois meses a um semestre; a colaboração continuada dos professores em atividades de formação para o clero e cursos para os leigos; e a contribuição com livros de Filosofia e Teologia, uma vez que é escassa ou quase inexistente a produção editorial no país.

“Dom Pedro Zilli [bispo brasileiro à frente da diocese de Bafatá, na Guiné-Bissau] vai fazer um pedido para que a Igreja no Brasil os ajude na questão dos livros de Filosofia e Teologia, pois praticamente eles não têm nada no seminário. Nós levamos algumas apostilas para poder ajudar um pouco os seminaristas na área de Filosofia e Teologia. Há uma carência de tudo. Os livros que eles conseguem são trazidos de Portugal e há a questão do preço”, partilhou padre Antônio.

O presidente da Comissão para a Cooperação Intereclesial da CNBB, Dom Esmeraldo Barreto de Farias, adiantou que será feita uma lista da bibliografia básica dos cursos de Filosofia e Teologia para arrecadar o material nos regionais e dioceses e, na sequência, enviar ao país africano.

O secretário-geral da CNBB, Dom Leonardo Steiner, citou como possibilidade o que pode ser oferecido pela Edições CNBB e pela própria CNBB, por meio do conteúdo do seu acervo. O presidente da Comissão para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada, Dom Jaime Spengler, citou o acervo do antigo seminário de Viamão (RS), cuja parte que não foi doada para seminários da Amazônia poderia ser aproveitada para envio ao seminário da Guiné Bissau.

VISITA E DOAÇÃO

Padre Antônio Niemiec pôde conhecer várias realidades e se reunir com as comunidades e membros de serviços eclesiais na Guiné Bissau, além das missionárias e missionários brasileiros que atuam no país. A atividade principal, porém, estava dentro das atividades do “Projeto de Solidariedade entre as Igrejas do Brasil e da Guiné-Bissau”. A iniciativa, explica o padre, “contempla o envio anual de professores de filosofia e teologia para a Guiné-Bissau, dada a carência de professores neste país. Até o presente momento, foram enviados 17 professores do Brasil, nos meses de janeiro-fevereiro, que ajudaram na formação de 28 padres da Igreja da Guiné (Bissau)”.

Além da formação acadêmica, no Seminário Maior, os professores assumem também diversos outros serviços, durante a estadia deles no país africano: celebrações no Seminário e nas paróquias, encontros e cursos de formação para leigos, retiros, conforme as solicitações recebidas. “É uma alegria poder contribuir um pouco nesse projeto de cooperação missionária”, compartilhou nas redes sociais.

No Seminário Maior Interdiocesano, o único na Guiné-Bissau, padre Antônio ministrou aulas da Sagrada Escritura e da Teologia Espiritual. “É um curso intensivo, por isso, as aulas acontecem todos os dias da semana. No Seminário, além dos seminaristas das duas dioceses da Guiné (Bissau e Bafatá), estudam também os seminaristas religiosos e irmãs religiosas. O quadro numérico de alunos (diocesanos e religiosos/as) se apresenta da seguinte maneira: Propedêutico – 18; Filosofia – 14; Teologia – 24”, contou.

INICIAÇÃO CRISTÃ

Num país com forte presença muçulmana, mas com grande carência da presença da Igreja Católica, até a pedido de membros de religiões tradicionais, chamou atenção do assessor da Comissão para a Ação Missionária da CNBB uma paroquia no centro da capital que tem 2500 catecúmenos, pessoas em preparação para o Batismo. Ali, de acordo com padre Niemiec, são somente 98 catequistas. “Vale a pena a gente colaborar neste projeto para uma Igreja que depende totalmente dos outros”, disse.

 

CNBB

Galeria de Fotos