segunda-feira, 30 de novembro de 2020

Notícias

GUARAPUAVA: Fechando o ano de 2020, diocese promove encontro de funcionários

O evento foi realizado na Casa de Líderes Nossa Senhora de Guadalupe, em Guarapuava, e contou com a participação de 218 funcionários. Dom Amilton Manoel da Silva, foi o assessor dos trabalhos.

18/11/2020 11:31:00


Em 17 de novembro, 218 funcionários da maioria das paróquias e comunidades da diocese de Guarapuava, participaram de um encontro.

O evento foi realizada na Casa de Líderes Nossa Senhora de Guadalupe e teve a coordenação de Dom Amilton Manoel da Silva, bispo diocesano.

Esta foi a primeira vez que o quinto bispo de Guarapuava se reuniu com os funcionários. O objetivo principal do encontro foi explicar para as pessoas sobre o funcionamento dos vários departamentos da diocese, com foco na realidade atual.

Por causa da pandemia de Coronavírus, os participantes tomaram todos os cuidados, como a manutenção do distanciamento social, o uso de máscaras e a higienização das mãos.

Durante sua explanação, Dom Amilton destacou que aos poucos, a Igreja precisa voltar à normalidade e que as pessoas devem entender que as celebrações virtuais têm seu valor enquanto prevenção, mas que nada substitui o encontro em se tratando de comunidade.

 “Como integrantes de uma Igreja viva e que precisa se reinventar a cada dia, nós precisamos desse encontro. Usamos sim, os meios virtuais, as tecnologias que, graças a Deus, têm nos ajudado e muito neste período difícil pelo qual estamos passando, mas vamos, aos poucos, fazer com que as missas sejam presenciais. Quem não puder participar, como os idosos e os doentes, por exemplo, aí sim, devem acompanhar as celebrações pelo rádio, pelas redes sociais, mas caso contrário, não”, observou Dom Amilton.

O bispo ainda falou das visitas que fez às 47 paróquias da diocese, logo depois de sua posse em 18 de julho de 2020 e contou que, apesar de não ter se demorado tanto em cada comunidade, pôde entender, pelo menos um pouco, sobre as dificuldades de cada lugar. “Nossa diocese é a maior do Parará em extensão territorial e a terceira maior do Sul do País. Minhas visitas foram rápidas, mas eu pude sentir de perto, pelo menos um pouco, da realidade e das dificuldades de cada uma das nossas comunidades. Eu devo voltar às paróquias no próximo ano, com mais tempo para conversar com as pessoas e saber mais sobre os trabalho desenvolvidos em cada uma dessas comunidades. Nossos planejamentos foram adiados ou sofreram adaptações por causa da pandemia, mas estamos focados nos trabalhos para os próximos anos. Vamos rezar juntos para que haja a vacina contra esta doença. Com a imunização, podemos pensar com mais clareza em todos os nossos projetos. Jamais devemos nos esquecer de que ser missionário é ser cristão. Nossa diocese é missionária e, por isso, carece de atenção e muito cuidado para com todos. Somos muitos e vivemos diferentes realidades em cada região de abrangência diocesana. Nosso trabalho será sempre no sentido de integração e de missionariedade”, explicou o bispo.

O chanceler da diocese, padre João Inácio Kolling, participou do encontro com os funcionários e discorreu sobre seu trabalho e a importância de se manter em ordem todos os documentos da Igreja. “A chancelaria trata de todos os documentos da Igreja. Em nosso caso, cuidamos dos documentos da diocese de Guarapuava. As paróquias, por meio de suas secretarias, precisam estar em dia com a documentação de seus paroquianos. Tudo precisa ser registrado e especificado, para que as informações não se percam. Em todas as dimensões da Igreja, carecemos de documentos comprobatórios para que os paroquianos se sintam amparados em se tratando de suas comunidades de fé”, discorreu padre João Inácio.

O padre Francisco Pontarollo Neto (Chicó), pároco da paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Guarapuava e responsável pela Câmara Eclesiástica na diocese, explicou sobre suas funçõs e destacou que a precisão das informações, bem como as investigações dos muitos casos que chegam ao tribunal, carecem de muita atenção e análise fundamentada em verdades. “Nosso trabalho requer paciência e muito estudo. Há muitos processos de nulidade matrimonial na Câmara Eclesiástica. Para que cada processo prossiga, é preciso que haja informações detalhadas dos casos a serem julgados. As decisões não ocorrem aleatoriamente. Por isso, tudo o que as paróquias puderem repassar com clareza, contribui imensamente para o andamento do nosso serviço”, pontou padre Chicó.

Uma missa celebrada por Dom Amilton, com a participação dos padres presentes, encerrou o encontro anual dos funcionários da diocese.

Galeria de Fotos