sábado, 15 de maio de 2021

CNBB Sul 2

Padre de Maringá morre vítima de Coronavírus

Padre Sérgio Meschini Filho, trabalhava como pároco da paróquia Sagrado Coração de Jesus, em Maringá. Mestre em Direito Canônico, ele desejava fazer doutorado.

25/03/2021 14:50:00


Morreu, na última terça-feira, dia 23 de março, o padre Sérgio Meschini Filho, aos 37 anos de idade, vítima de Coronavírus.

O sacerdote que pertencia à arquidiocese de Maringá, estava internado desde o dia 26 de fevereiro, na Santa Casa de Misericórdia daquela cidade.

Filho de Sérgio Mesquini e Cleide Mesquini, padre Sérgio deixa dois irmãos, Leonardo Meschini e Maira Meschini Dechico.

O presbítero morreu na presença dos irmãos e do padre Altair Ciarallo, no leito da UTI. “Fizemos uma oração de entrega e ele foi para os braços de Deus”, contou Maira. 

Padre Sérgio era pároco da paróquia Sagrado Coração de Jesus, em Maringá. Mestre em Direito Canônico, ele desejava fazer doutorado.

Dom Severino Clasen, arcebispo de Maringá, disse que a morte de padre Sérgio é uma perda muito grade para a arquidiocese, para a Igreja e para a sociedade. Ele decretou luto oficial de três dias. “Padre Sérgio deixa um legado de amorosidade e dedicação à Igreja. Comunico meus sinceros sentimentos aos familiares, em especial à mãe do padre Serginho. Padre Sérgio superou toda dor e sofrimento e foi acolhido pelos anjos na casa definitiva. Deus o receba na alegria do Reino”, expressou Dom Severino.

O representante do clero da arquidiocese de Maringá, padre Neri Dione Squisati, também manifestou condolências em nome dos padres. “Que Deus recompense imensamente a vida e ministério doados em favor do Reino de Deus. Que a vida e missão do padre Sérgio entre nós seja semente de novas e santas vocações. Obrigado padre Sérgio. Descanse em paz, nos braços do Cristo Bom Pastor”, sublinhou, em nota.

Padre Altair Ciarallo, amigo de padre Sérgio, lamentou a morte do sacerdote e disse que “ele foi um padre extraordinário, que com seu breve ministério, deixou a marca do Cristo acolhedor. Mais que um amigo, um irmão do coração”.

 

Com informações e foto da arquidiocese de Maringá